Deputado-Wanderlei-Barbosa-SDO deputado estadual Wanderlei Barbosa (SD) utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa na manhã desta quarta-feira, 23, para falar sobre a Ação Civil Pública ingressada pelo Ministério Público Federal (MPF) mandando suspender a Licitação do Bus Rapid Transit (BRT) da Prefeitura de Palmas. Wanderlei falou que tudo que o Prefeito de Palmas Carlos Amasha (PSB) põe a mão ele tem uma dúvida do poder judiciário deste País, do Estado e também do município.

Segundo o deputado, em uma reunião com os impactados no Aureny III, a prefeitura tentou desvalorizar os imóveis impactados por onde passava o BRT, mas agora, com essa ação do MPF as pessoas impactadas terão seus imóveis assegurados a preço de mercado imobiliário de Palmas”, disse.

O deputado destacou também 30.000 m² de gramas recém-plantadas nos canteiros de Palmas que foram queimadas e que, segundo Amasha foi queimado por ação de vândalos. O deputado questionou se a Prefeitura presta contas de pagamentos com caminhão pipa, como as gramas estão queimando, disse que é um absurdo o que fazem aqui. “Eu acho que eles não plantaram e estão querendo justificar porque não plantaram”, disse.

 “O prefeito age com subterfúgios, com mentiras, é perfil dele, ele usa as redes sociais para difamar as pessoas, ele culpa os adversários para tirar dele os problemas”, afirma. Barbosa alerta aos órgãos reguladores quanto à investigação das plantações dessas gramas.

Jogos Indígenas

Assunto divulgado nos principais jornais do Estado, o deputado também abordou em seu discurso. Ele falou sobre a falta de apoio e insatisfação dos indígenas que não irão participar nos Jogos Mundiais. No Tocantins existem sete etnias e apenas quatro foram convidadas para participar e as outras três se sentiram discriminadas porque não foram chamadas.

De acordo com o deputado, o Estado é a sede anfitriã dos jogos mundiais indígenas e os índios não tiveram nenhum apoio, e nem preparação profissional e os recursos vieram. A Prefeitura que sedia devia chamar a atenção do governo do estado e fazer uma parceria para que os índios pudessem fazer bonito no evento. No entanto das quatro, duas não querem mais participar. “Porque os povos indígenas estão ficando indignados e não querem participar dos jogos, o que levou a indignação desses índios?”, perguntou. Segundo ele é preciso verificar o que está motivando os indígenas a não darem importância a esse evento.

O deputado cobrou dos organizadores dos Jogos visitas as etnias e a devida preparação para que os indígenas participassem dos jogos. “Um evento importante, um evento mundial, carece da atenção do poder público com relação aos recursos”, disse.(Ascom)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.