Durante sessão realizada na manhã desta terça-feira, 07, vereadores da Câmara de Palmas criticaram o que definiram como excessos durante as diligências da segunda fase da Operação Jogo Limpo, realizada na sexta-feira, 3.

Ao usar a tribuna, o vereador Rogerio Freitas, um dos investigados pela operação, destacou que o Parlamento não pode ser prejudicado. “Fui alvo da operação e não vim aqui repudiar. Não tenho compromisso com ilícito, fui ouvido pela autoridade policial e acredito que nem serei nem denunciado. Vi um vídeo como se aqui fosse Hollywood, 40 delegados cumprindo mandato contra 3 vereadores. Agora não podemos aceitar que o parlamento seja visto pela imprensa como se fosse um antro compromissado com o errado e com o ilícito, porque não é”, frisou.

O vereador Milton Neris também se pronunciou sobre o assunto. “Invadiram residência que nem tem gente morando, entraram quebrando porta, tratando como bandidos perigosos. O vídeo divulgado pela Polícia Civil se assemelha ao filme ‘Tropa de Elite’, mostrando a Câmara Municipal, como se a instituição estivesse relacionada à operação”, afirmou.

Neris ainda ponderou, “achei um excesso e acho que o Governador Carlesse tá gastando muito dinheiro para fazer filme para promover a instituição Polícia Civil e deveria gastar esse dinheiro no cuidado com os hospitais”.

Sobre o presidente da casa, vereador José do Lago Folha Filho, o advogado Paulo Roberto disse que o mesmo se apresentou espontaneamente na tarde de ontem, 6. “Ele se declara inocente das acusações, que na verdade não têm razão de ser”, disse. (Ascom)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.