Esquema de propina é revelado no Hospital Regional de Augustinópolis , três profissionais da unidade são suspeitos de cobrar para atender pacientes vítimas de acidentes de trânsito.

Segundo o promotor Paulo Sérgio Ferreira de Almeida, do Ministério Público Estadual, os três chegaram a pedir mais de R$ 3,6 mil de um dos doentes. Segundo o MPE, alguns pacientes tinham baixa renda e precisaram fazer empréstimos bancários para pagar pelo atendimento que deveria ser gratuito.

De acordo com as investigações, o esquema envolvia um médico ortopedista, uma enfermeira e um técnico de enfermagem. Dois são funcionários concursados e um foi contratado.

A denúncia foi feita pela esposa de uma das vítimas e por outros profissionais do hospital, que teriam ficado indignados com a situação.

Em um dos casos apurados, o paciente pagou R$ 2,3 mil por uma cirurgia no braço. Ele teve fratura no braço e uma queimadura no pé após um acidente de trânsito. Apenas o médico e o técnico de enfermagem teriam atendido ao homem. Já no segundo caso denunciado, que envolve os três profissionais, a propina teria sido de R$ 3,6 mil para fazer a cirurgia na perna de uma vítima de acidente de carro.

O MPE apresentou denúncia à Justiça e pediu que os três percam os cargos e tenham a prisão preventiva decretada. Na mesma ação, a promotoria pede que o Estado seja condenado a indenizar os pacientes.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.