camara municipal de palmas-to
camara municipal de palmas-to

As discussões nesta terça-feira, 27, no plenário da Câmara Municipal de Palmas giraram em torno do protocolo para a instalação de duas CPIs – Comissão Parlamentar de Inquérito. Os documentos foram protocolados na manhã de hoje e pedem a criação de uma CPI sobre a contratação da empresa Terra Clean por parte da prefeitura e outra que pretende analisar a concessão de exploração dos pontos de ônibus da capital.

O vereador Lúcio Campelo falou sobre decisão em propor a CPI sobre a coleta de lixo na capital. “Recebi reclamações de várias quadras e bairros que a mais de quinze dias não estão varrendo as ruas do setor, ou seja, a Terra Clean não tem feito o serviço corretamente. Nossa intenção não é prejudicar o prefeito, mas dar respostas a sociedade. A limpeza urbana é paga com o suor de cada cidadão. A sociedade tem cobrado transparência”, disse Campelo.

Para o presidente da Câmara Municipal de Palmas, a CPI, se for

oficializada, deverá apurar o serviço de coleta de lixo na capital desde a gestão passada, no governo de Raul Filho. “Quando uma árvore está doente não cuidamos só das folhas, mas sim da raiz. Sou a favor da instalação desta CPI desde que formos até o fundo disso tudo, discutindo o contrato da Litucera, Delta no Governo Raul, assim como os técnicos que realizaram as medições à época”.

Voto favorável à instalação de Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar irregularidades na coleta de lixo na capital, o vereador Professor Júnior Geo (PSB) reforçou sua intenção de apurar “a fundo o que ocorreu na contratação da empresa Terra Clean e também na legislatura passada, desde a quilometragem de varrição de ruas à pesagem do lixo coletado”.

Já o vereador Valdemar Junior, a CPI na Casa é questão e instrumento político e citou que na legislatura passada propôs a CPI para apurar a Delta e obteve apenas três assinaturas, sendo arquivado o documento. “O contrato é para 10 mil hectares, tem 16 mil que está fora do contrato, porque Palmas possui 26 mil hectares. O restante está sendo realizado por servidores do município”, explicou sobre o motivo da prefeitura estar contratando pessoas para realizar esse trabalho. O vereador disse ainda que o município economizou com a limpeza cerca de R$ 7 milhões em seis meses.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.