katia abreu
katia abreu

A senadora e presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Kátia Abreu, subiu à tribuna do Senado na ultima quinta-feira para protestar contra as práticas monopolistas da empresa JBS Friboi e sua agressiva campanha de marketing, depreciando concorrentes que comercializam carne com qualidade idêntica à dela.

Em seu discurso, a parlamentar fez questão de destacar que a pecuária do país foi construída sem verbas públicas, diferentemente da JBS Friboi. O grupo conseguiu financiamento da ordem de R$ 7 bilhões junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), recursos que, na avaliação de Kátia Abreu, poderiam ajudar pequenas e médias empresas frigoríficas que passam por dificuldades.

Como conhecedora da realidade da pecuária brasileira, ela fez questão de esclarecer que o Brasil não possui apenas uma marca boa de carne. “Temos centenas”, afirmou, destacando que a JBS Friboi se apropriou da marca de inspeção federal – o SIF – , como se fosse o único frigorífico brasileiro certificado nacionalmente pelo ministério da Agricultura. Não é.

“Outros 209 frigoríficos do Brasil passaram pelo mesmo processo de inspeção e certificação, têm o mesmo SIF que essa tal marca JBS, que diz que só ela tem”, explicou . Em seguida, advertiu que é preciso ter “cuidado e cautela para não praticar marketing enganoso”. Segundo ela, todos aplaudimos o sucesso das empresas “ Mas nós não queremos um mercado e um capitalismo destrutivos”, completou.

Além do governo federal, o serviço de inspeção também pode ser realizado por órgãos estaduais e municipais. As boas práticas dos pecuaristas, aliadas a esta fiscalização, garantem a qualidade da carne brasileira. Cerca de 70% da produção nacional são consumidos pelo mercado interno. Mesmo exportando apenas 30% do que produz, o Brasil é, hoje, o maior exportador mundial de carne.

Para Kátia Abreu, a campanha do JBS Friboi “deprecia o carimbo brasileiro de inspeção”, atitude que pode, inclusive, prejudicar a imagem positiva da nossa carne nos mercados. “O produto brasileiro é admirado no mundo inteiro, porque nossos animais não são criados em currais, comendo ração. O boi brasileiro é verde, criado solto nos pastos”, afirmou.

Segundo a senadora, foi com grande esforço que os pecuaristas conseguiram trazer a genética da Índia e aprimorá-la, para ofertar aos mercados nacional e mundial carne mais barata e de excelente qualidade. “Na França, o consumidor paga até quatro vezes mais do que se paga aqui por um quilo de filé, porque a nossa carne é competitiva”, frisou.

Ao final, a senadora afirmou que já solicitou uma audiência com a presidente da República, Dilma Rousseff, para tratar da questão dos financiamentos para pequenos e médios frigoríficos representados pela Associação Brasileira dos Frigoríficos (ABRAFRIGO).

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.