cesar halum
cesar halum

O deputados federais César Halum (TO) e Ronaldo Nogueira (RS), autores dos requerimentos que pedem a criação de Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar as quatro maiores operadoras de telefonia móvel do país, promoverão nesta quarta-feira, 21, às 15h30, no Salão Verde da Câmara, um ato simbólico em repúdio a demora na instalação da CPI, que completa 1 ano.

Em 2012, os deputados, protocolaram o pedido de CPI da Telefonia Móvel, entregaram ao Ministério Público Federal representação contra o CADE, ANATEL e Companhias Operadoras de telefonia, e segundo eles, ate agora nada foi feito por parte da presidência da Câmara.

“Se estão achando que esquecemos, estão enganados. Vamos lutar até o fim pela instalação da CPI da Telefonia. Queremos abrir a caixa preta dessas operadoras, que prestam um serviço de péssima qualidade aos consumidores brasileiros”, asseverou Halum.

Todos os meses, desde junho de 2012, através das redes sociais, César Halum e outros parlamentares convocam a população a desligar seus aparelhos celulares por uma hora, de 12 às 13 horas, em protesto contra as altas tarifas de celular e a má qualidade dos serviço.

“Temos lutado contra a espoliação de grupos econômicos internacionais que detém o controle do mercado de telecomunicações no Brasil, pois, se utilizam das facilidades para implementação de seus negócios sem a presença da regulação forte do Estado Brasileiro.Os usuários dos serviços de telefonia pré-paga no Brasil são trabalhadores assalariados e pagam ilegalmente a segunda tarifa mais cara do mundo em razão de diversos elementos perversos”, explicou César Halum, que é presidente da Frente Parlamentar em Defesa dos Consumidores de Energia Elétrica, Combustíveis e

Telefonia.

Enquanto a CPI não é formalizada, Halum conseguiu a aprovação de umaproposta de fiscalização e controle (PFC 95/12) para que a Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara inicie as investigações.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.