serra pelada (foto: antonio cicero)
serra pelada (foto: antonio cicero)

Com a saída dos deputados Wandenkolk Gonçalves (PSDB-PA) e Arnaldo Jordy (PPS-PA), por voltas das 15 horas deste domingo 25, o movimento da grande marcha de paralisação dos garimpeiros, da qual os parlamentares lideravam ao lado de outras lideranças garimpeiras, para que a Policia do Pará começassem a atacar com gás de pimenta e balas de borracha contra a multidão que já se encontrava dentro do canteiro de obras da mina de Serra Pelada.

Na açao da policia sete garimpeiros ficaram feridos.

A ordem de ataque, segundo os garimpeiros, partiu do coronel Silveira, que, no período da manhã, estava junto o tempo todo com os dois deputados e chegou a afirmar numa reunião prévia com a participação dos dois parlamentares e as lideranças garimpeiras de que a polícia acompanharia tudo sem no entanto impedir o livre direito de manifestação. Ainda de acordo com os garimpeiros o Coronel mentiu o tempo todo enquanto estava na presença dos deputados.

Os garimpeiros afirmam que o coronel Silveira não quis nem mesmo seguir as orientações dadas pelo governador Simão Jatene, que, segundo o próprio deputado Wandenkolk Gonçalves, porta-voz do governador, chegou a dizer que a polícia se manteria apenas na condição de acompanhar a caminhada dos garimpeiros.

As garantias de Wandenkolk e de Jordy, segundo os garimpeiros, caíram por terra tão logo os dois parlamentares se ausentaram da região. O coronel Silveira mudou de tom e de comportamento, determinou que a sua tropa despejassem “spray de pimenta” e balas de borrachas contra a manifestação pacifica de milhares de cidadãos, donos de 49% da mina de Serra Pelada, disseram eles.

Apesar da investida da policia, no entanto, os garimpeiros se mantêm firme no propósito de continuarem a paralisação. E garantem que as obras da mina vão continuar paralisadas.

Os garimpeiros reclamam que ninguém sabe do porquê da repentina mudança de atitudes do coronel Silveira tão logo os dois deputados se ausentaram da mina de Serra Pelada, não quis nem mesmo atender as ordens do coronel PM Daniel Mendes.

Agora, as responsabilidades redobram para Wandenkolk e para Jordy, já que os dois fizeram discursos contundentes e lideraram a marcha até a mina.

A Associação dos Garimpeiros informou que tentou contato via telefone com os parlamentares para colherem opinião quanto aos ataques da Policia, mas não conseguiu falar com nenhum dos dois. Informou ainda que os garimpeiros irão resistir e permanecerão no local.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.