mosquito transmissor da malária
mosquito transmissor da malária

Cientistas do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas de Bethesda, em Maryland, nos EUA, criaram uma vacina 100% eficiente para a Malária, doença à qual 3,3 bilhões de pessoas – metade da população mundial! – estão expostas todos os anos e que, só em 2010, matou 660 mil pessoas no planeta.

Pra você ter uma ideia de como a notícia é boa, a meta da OMS para um possível método de profilaxia para a doença exigia apenas 80% de eficácia na vacina, e essa meta estava estabelecida para 2025.

A vacina, chamada PfSPZ, é feita de esporozoítos enfraquecidos – esporozoítos é como é chamada a forma infecciosa inicial do parasita da malária, o Plasmodium falciparum. Esse esporozoíto invoca uma resposta do sistema imunológico, como ficou comprovado com os seis sujeitos de teste que receberam cinco doses intravenosas. Todos eles, mais tarde, foram picados com mosquitos infectados pela Malária, e nenhum foi contaminado com a doença.

O próximo passo é testar a vacina com um número maior de voluntários, em regiões de epidemia de Malária. E porque demorou tanto pra desenvolver uma vacina eficaz contra a doença? O motivo é que o processo de fabricá-la ainda é complicado – exige contaminar mosquitos com a doença e então expô-los à radiação para enfraquecer o parasita, e então tirar os parasitas direto das glândulas salivares dos mosquitos . Ainda assim, os cientistas conseguiram produzir a vacina em escala industrial.

Fonte: Revista Galileu

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.