A Polícia Civil investiga a morte de um líder comunitário em Araguaína, norte do Tocantins. Genivaldo Bras do Nascimento, 36 anos, foi morto enquanto dormia em casa, na zona rural do município. A suspeita é de que o assassinato esteja relacionado com conflitos agrários.

O líder já tinha registrado três boletins de ocorrência por ameaça de morte.

“A gente entende por ter sido uma ocupação feita no ano de 2012, e que ela vem se prorrogando de lá para cá, segundos relatos dos membros da própria comunidade, por ter interesses envolvidos, que pode ter havido uma motivação de conflitos agrários, interesse pela posse da área”, explica o presidente da Comissão de Relações Agrárias da OAB no Tocantins, que acompanha o caso.

Em maio deste ano, um grupo do assentamento Sem-Terra Mata Grande, que fica em Santa Fé do Araguaia, também foi atacado. As famílias, que vivem às margens da TO-222, relataram que sete homens encapuzados e armados invadiram o acampamento e efetuaram disparos de arma de fogo.

Uma das pessoas que sofreu a agressão contou que foram momentos de tensão vividos no acampamento. “Eu escutei só eles falando: ‘Nós vamos matar todo mundo, matar todo mundo. Aí eu desesperei, eu não pude ficar lá, eu corri”. (G1)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.