Preocupado com a questão da regularização dos lotes das igrejas de Palmas, o vereador pastor João Campos (PSC), participou de uma importante reunião que tratou sobre o tema nesta quinta-feira, 2, e contou com a presença do prefeito Carlos Amastha, do Procurador Geral da PGM, Públio Borges, do Secretario de Integração Social e do Consumidor, Tiago Andrino, além de cerca de 60 representantes de igrejas.

Na ocasião, João Campos parabenizou o prefeito e ainda solicitou que seja enviado a Câmara um Projeto de Lei que desobriga as igrejas ao pagamento do ITBI (Imposto Sobre a Transmissão de Bens Imóveis), quando a igreja adquirir lotes ou imóvel de terceiros. O prefeito assumiu compromisso público em atender a demanda. Para o vereador, o momento foi muito oportuno, tendo em vista que, caminhos foram apresentados para resolver o problema da regularização dos lotes. “A iniciativa da reunião é louvável. Precisamos dar andamento a essa questão e resolver de vez essas pendências”, pontuou o vereador.

SOLUÇÃO APRESENTADA

Referente a igrejas evangélicas, para as quais ainda não existe legislação que respalde a cessão de áreas públicas, será necessário apresentar um projeto social desenvolvido na comunidade, para indicar a finalidade pública do espaço, já ocupado pelas igrejas.

Quanto às igrejas Católicas, ficou acertado que será cumprido o Tratado assinado em 2008 entre Brasil e Vaticano, que determinou em um de seus artigos a cessão de espaços públicos para templos católicos. De acordo com o procurador geral da PGM, Públio Borges, o Tratado se tornou emenda constitucional, após aprovação pelo Congresso Nacional, em 2009.

COMISSÃO

Na oportunidade, foi assinado decreto que cria comissão para acompanhar o andamento dos processos e terá representantes de igrejas católicas e evangélicas, além de membros do secretariado Municipal e de vereadores.

A comissão criada vai acompanhar o andamento de cada processo e a expectativa é que, até o final deste ano, as áreas estejam regularizadas. É necessário que os requerentes reativem os processos, preenchendo o formulário para regularização, junto ao qual se deve apresentar, entre outros documentos, certidão negativa da receita municipal e cópia do CNPJ. “Pretendemos solucionar o mais rápido possível todos os casos e estaremos à disposição durante todo o processo”, frisou Públio Borges.

Segundo informações da Procuradoria Geral do Município (PGM), existem 286 processos sobre regularização fundiária de áreas públicas, onde já existe construção de templos religiosos.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.