Depois de uma pequena queda em junho, o endividamento das famílias palmenses volta a sofrer um tímido crescimento no sétimo mês do ano. A Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC) de julho registrou em seu índice geral que 74,6% dos entrevistados na Capital afirmaram encontrar-se endividados. Enquanto em junho esse índice era de 74,2%, resultando num aumento de 0,4%. Na comparação com o mesmo período do ano passado, a PEIC revelou uma diminuição de 1,1%.

“Esse pequeno aumento no endividamento das famílias palmenses pode ser creditado às compras nas datas especiais desse primeiro semestre, como o Dia das Mães e o Dia dos Namorados, ou seja, mesmo assim a maioria dos consumidores continua cautelosa na hora de fazer suas compras”, afirmou o presidente da Fecomércio, Itelvino Pisoni.

Ainda segundo a pesquisa, quanto aos endividados, 70,4% dos entrevistados afirmaram estar pouco endividados, contra 0,7% dos que se disseram muito endividados. A contração das dívidas continua tendo no cartão de crédito a sua principal ferramenta, respondendo por 72,5% dos entrevistados. Em segundo lugar ficou o uso do carnê, somando 31,5% e em terceiro, o financiamento de veículo, com 26%.

Quanto às famílias com dívidas em atraso, 82,7% disseram não possuí-las, e apenas 16,7% confirmaram essas dívidas, revelando um pequeno aumento de 2% com relação a junho. Os que afirmaram poder quitar suas dívidas em atraso acusou que 56,7% disseram poder pagá-las parcialmente, e 40,9% afirmaram poder quitá-las totalmente e 1,6% declararam não ter condições para sanar essas dívidas.

Já quanto ao tempo de pagamento em atraso das famílias, 44,3% responderam o tempo médio entre 30 e 90 dias. E no prazo de comprometimento com dívidas, 47,6% disseram estar comprometidos por mais de um ano. A média do tempo de comprometimento com dívidas ficou em 8,2 meses.

A parcela da renda comprometida com dívidas acusou que 65,9% gastam entre 11% e 50% do total de sua renda mensal com a quitação das dívidas. O comprometimento médio de renda ficou em 33,3%.

Uma realização mensal da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – CNC, em parceria com a Fecomércio Tocantins, a PEIC de julho teve como base de dados entrevistas de 500 famílias palmenses divididas em duas categorias: as que ganham até 10 salários mínimos ao mês e as que recebem mais de 10 salários mínimos. A pesquisa foi realizada nos últimos 10 dias do mês de junho de 2015. Esses recortes foram obtidos no índice geral, ou seja, nas duas categorias das famílias pesquisadas.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.