Foto: Divulgação

O intuito era de debater junto aos alunos do Centro de Ensino Fundamental 03 de Planaltina, no Distrito Federal a questão da prevenção de doenças venéreas à gravidez encenados com personagens divertidos, mas acabou sendo mais uma tentativa de abreviar o período de inocência das crianças.

Um ator vestido de palhaço entrou em cena com um “pênis gigante” preso à cintura enquanto o grupo teatral cantava “pega, pega a minha rola”.

Cerca de 150 estudantes, entre 14 e 16 anos, acompanhavam a peça que aconteceu na manhã da terça-feira, dia 8 de maio, chamada O Auto da Camisinha, da Hierofante Companhia de Teatro, de Ceilândia. Fotos e vídeos do momento caíram nas redes sociais e revoltaram alguns pais e internautas. No entanto, a peça foi defendida como ferramenta pedagógica para abordar o tema nas instituições de ensino.

Questionada por pais de alunos, a direção do CEF 03 disse estar surpresa com o acontecido uma vez que não tinha total conhecimento do conteúdo que seria exibido na peça.

Opinião

Nenhuma desculpa é aceitável para mais essa agressão contra as crianças. Existe um esforço para antecipar as fases de erotismo junto aos pequenos e só os pais possuem o poder de paralisar essa iniciativa perversa.

Onde está o comunicado da escola que informa aos pais e responsáveis das crianças dessa atividade? Qual penalidade sofreu a diretora do CEF 03 de Planaltina por ser incompetente a ponto de não gerenciar todo o conteúdo que seria exibido para as crianças que estão sob sua responsabilidade?

Falar, ensinar sexualidade para os alunos não deve e não pode ser caminho para embutir juízo de valor na cabeça das crianças. Isso é agressão e deve ser punido criminalmente.

Se pararmos para pensar as crianças estão sendo submetidas à normatização da pedofilia. Um adulto de pênis para fora cantando “pega, pega minha rola, pega minha piroca” vai ser visto como um amigo do palhaço que esteve na escola. (JornalNação

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.