A Universidade Federal do Tocantins (UFT) – Câmpus de Tocantinópolis, por meio dos Cursos de Educação Física e Pedagogia, e por intermédio do Grupo de Estudos em Envelhecimento Humano (Progero), promoveu na última terça-feira (20), a I Mostra Intergeracional. O evento que teve o objetivo de discutir questões relacionadas ao envelhecimento humano e suas interfaces, marcou o encerramento das atividades do Projeto de Extensão Atividade Física e Cognição: Promoção da Qualidade de Vida do Idoso em Tocantinópolis.

As atividades desenvolvidas pelos idosos ao longo do projeto foram expostas no pátio da instituição a todo o público presente. Três grupos de trabalhos foram formados, onde apresentaram temáticas sobre: Leitura e Memória; Atividade Física e Alimentação Saudável; e Atenção Farmacêutica e Atuação Fonoaudióloga na saúde do Idoso. A proposta teve por intuito apresentar à sociedade um novo conceito sobre a vivencia do idoso.

Participante assídua, dona Maria Aparecida Brito disse que o projeto marcou sua vida, e que a partir de agora colocará em prática tudo o que aprendeu durante as atividades. “Nada de cansativo, nunca foi cansativo. Esta aqui é a recompensa de todo nosso trabalho. Só foi prazer e alegria e eu pretendo participar do próximo projeto e queria convidar os demais amigos para participarem, pois é muito bom. A gente só vivi”, enfatizou.

Dona Maria Geraldina Lima ressalta que os jovens devem dar mais atenção para os idosos e ouvi-los sempre. “Esse curso veio para ficar, não foi para encerrar agora não. Eu sou e me sinto orgulhosa e muito feliz. Desde a primeira UMA que também fiz parte que tenho uma nova vida. Hoje me sinto realizada por participar desse curso, e espero que os jovens participem para ver nosso desempenho. É isso que vale a pena viver. A vida é para ser vivida, o tempo não existe, nunca deixem o tempo tomar o tempo de vocês”, ponderou.

O evento apresentou resultados tão positivos, que a equipe pensa em repeti-lo em breve, e a dona Jacina Moraes destaca que assim que iniciar as inscrições irá se matricular. “Agora estou pós-graduada. Esse projeto é muito bom, eu quero que ele continue porque dá muito prazer e alegria para vivermos com qualidade de vida. Só perde quem não participa”, ressaltou.

Aline Noronha, acadêmica do curso de Pedagogia, diz que o projeto trouxe novas experiências, experiências estas das quais ela não tinha a mínima noção e nem mesmo sabia lidar com elas. “A convivência com os idosos trouxe para mim uma visão que eu não tinha, que era a visão de como chegar no amanhã, respeitando cada um, a sua idade, e o seu tempo dentro da sua perspectiva. Trouxe também um desafio, tenho uma criança pequena e tenho o desafio de educa-la, de conserva-la e passar valores e princípios para ele, de sempre respeitar os idosos. E que ele estude, aprenda os valores e não fique só para si, consiga transmitir isso também para as próximas gerações futuras”, destacou.

O Grupo de estudo denominado Progero e cuja as atividades realizadas ao longo do semestre tem sido conduzidas pela Profª Dra Fabíola Andrade e a profª Mestra Marilene Soares foi capaz de mostrar novas perspectivas com relação a pessoa idosa, é o que diz o acadêmico do Curso de Pedagogia, Marciel Rocha. “Fazer parte do Progero para mim foi uma experiência única, possibilitou também enxergar o mundo dos idosos com novos olhos, ou seja, possibilitou uma aproximação real do que seja o mundo da pessoa idosa. Contribuiu também para fazer uma reflexão do cotidiano com relação a este público crescente no Brasil e no mundo”, frisou.

Segundo a coordenadora do I Mostra Intergeracional e vice coordenadora do projeto de extensão, Profª Fabíola Andrade, a ideia da ação é promover a aproximação do idoso com a comunidade acadêmica e toda a sociedade, estimulando o diálogo, a compreensão, a paciência e o respeito em relação às diferenças. “O projeto surge com o intuito de implantar algo no campo da extensão, que busque trabalhar, sobretudo, a atividade física associada a cognição dos idosos. Posto que a literatura aponta que, que a atividade física associada à atividade cognitiva melhora de forma significativa a saúde e qualidade de vida dos idosos. Assim, o trabalho associado entre saúde e educação foram os elementos chaves desse projeto”, disse.

O coordenador do projeto, Profº Mestre Filipe Grangeiro destaca que a ideia do projeto é ressaltar tanto as suas necessidades e dificuldades nos tempos atuais, como também sua significativa contribuição para a qualidade de vida dos idosos do município. “Um projeto inovador e desafiador no município de Tocantinópolis. Que os idosos continuem tendo autonomia e independência para continuar vivendo e tendo qualidade de vida. E o que mais importa é tê-los participado. O projeto não encerra aqui e com certeza logo em breve estará sendo retornado com uma nova proposta. E que os idosos possam ter autonomia de participar de todos os projetos que a UFT vier a promover junto com o município, o estado, os acadêmicos e esse público maravilhoso que participou ativamente”, pontuou.

Entrementes, a I Mostra Intergeracional foi uma forma de unir grupos de diferentes idades para uma troca de experiências. “A ideia do projeto é que nossos idosos possam envelhecer tendo uma perspectiva de vida com mais saúde. Que através das atividades desenvolvidas, a memória, a cognição e a atividade física possam provocar meios para que a pessoa idosa tenha uma vida ativa e com qualidade, garantindo maiores anos com uma boa memória e cognição cada vez melhor”, destacou a professora Marilene Silva.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.