Promotor de Justiça Daniel José de Oliveira Almeida atuou no julgamento

O tribunal do júri acatou as teses de acusação do Ministério Público Estadual (MPE) e condenou, na noite de quinta-feira, 1º, Edmilson da Rocha Santos a 13 anos de reclusão pelo homicídio de Hilário Costa França, ocorrido em março de 2011, na cidade de Colinas do Tocantins.

Edmilson da Rocha agiu mediante promessa de pagamento, tendo sido contratado por José Delvanir Ferreira Bezerra para assassinar a sogra deste, Maria Emília Silva de Oliveira. Um assalto ao estabelecimento comercial da família de Maria Emília foi simulado, na tentativa de ocultar o real motivo do crime. Mas ela conseguiu fugir do local. Seu marido, Hilário Costa França, reagiu à investida dos criminosos e foi assassinado.

Edmilson praticou o crime na companhia de dois adolescentes de 16 anos. Ele desferiu vários golpes na cabeça de Hilário Costa França, com um pedaço de madeira, enquanto um dos adolescentes aplicou cinco facadas na vítima, causando-lhe a morte imediata.

O executor foi condenado pelo crime de homicídio qualificado, por agir mediante promessa de pagamento de José Delvanir, bem como pelo crime de corrupção de menores.

José Delvanir Ferreira Bezerra, que planejou a tentativa frustrada de homicídio de Maria Emília, foi julgado e condenado em setembro de 2016 pelo assassinato de seu sogro.

A acusação do MPE nesta quinta-feira foi sustentada pelo Promotor de Justiça Daniel José de Oliveira Almeida. A sessão do tribunal do júri foi presidida pelo juiz Marcelo Eliseu Rostirolla.

O julgamento marcou a inauguração do Salão do Júri, no Fórum recém-reformado de Colinas do Tocantins.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.