O Conselho de Sentença acolheu todas as alegações do Ministério Público Estadual (MPE) e condenou nesta quinta-feira, 11, em Sessão do Tribunal do Júri na Comarca de Araguaína, Paulo Martins Reis, acusado de assassinar brutalmente, com golpes de facão e machado, Manoel André dos Santos. O crime aconteceu em novembro de 2013, no Assentamento Chaparral, zona rural do Município de Nova Olinda.

De acordo com o Inquérito Policial, o acusado teria desferido os golpes contra a vítima, que era companheiro de barraco, após um desentendimento causado por uma lâmpada acesa. Manoel teria sido pego de surpresa e degolado quando descansava em uma rede. Após o assassinato, Paulo enrolou a cabeça de Manoel em uma camiseta, colocou-a debaixo do braço e saiu demonstrando a todos.

Pela brutalidade e frieza como o crime foi cometido, os Promotores de Justiça Benedicto de Oliveira Guedes Neto e Leonardo Gouveia Olhê Blanck sustentaram a tese, durante o julgamento, de que Paulo agiu com determinação de matar, por motivo fútil, valendo-se de meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima. Além do crime de homicídio qualificado, os Promotores também pediram a condenação pelo crime de posse de arma de fogo, já que, ao ser preso, foram encontradas duas armas de fogo em seu poder.

Pelos crimes mencionados, o Conselho de Sentença considerou o réu como culpado, sendo estipulado pelo Juiz a pena total de 16 anos, 9 meses e 18 dias de reclusão pelo homicídio e um ano de detenção pela posse de arma de fogo.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.