Presos e mandados de prisão na Operação BNMP em Palmas

A Polícia Civil do Tocantins, por meio de ação conjunta realizada pela Delegacia de Polícia Interestadual e Captura – Polinter e 5ª Delegacia de Polícia Civil, na Capital, e pelas 13 Delegacias Regionais do interior do estado, deflagrou, nesta semana, a operação “BNMP”, que resultou na prisão de 33 pessoas acusadas pela prática de crimes diversos.

A operação BNMP foi coordenada, em Palmas, pela delegada Suráia Carvalho Vilela, titular da Polinter, e pelo Delegado Evaldo de Oliveira Gomes, titular da 5ª DPC. Já no interior do Estado, as ações foram comandadas pelo Diretor de Polícia do Interior, delegado Márcio Girotto Vilela.

As pessoas submetidas à prisão pela Polícia Civil do Tocantins são acusadas da prática de crimes contra a vida, o patrimônio, à saúde pública, dentre outros, além de prisões civis, pelo não pagamento injustificado de pensão alimentícia.

Conforme a delegada Suráia, “A operação BNMP tem por objetivo reduzir os números de mandados de prisão, em aberto, no Estado do Tocantins”. Além de Palmas, a operação foi deflagrada nas delegacias regionais da Polícia Civil do interior do Estado, para retirar de circulação pessoas criminosos em débito com a Justiça, trazendo paz e tranqüilidade para a população de todo o estado e combatendo firmemente a criminalidade.

Com o nome “BNMP”, a operação faz alusão ao sistema de Banco Nacional de Mandados de Prisão, implementado pelo Conselho Nacional de Justiça – CNJ, em 2011, que possibilita o registro e consulta de informações sobre mandados de prisão, facilitando o conhecimento destas informações por qualquer cidadão, bem como auxiliando autoridades policiais e juízes no exercício de suas funções.

“A operação alcançou os objetivos propostos, uma vez que a grande maioria dos mandados judiciais foram cumpridos, o que significa mais segurança à população. A Polícia Civil está desempenhando seu papel constitucional de Polícia Judiciária e efetuando a prisão de pessoas que o Poder Judiciário assim determinou” pontuou o delegado Evaldo Gomes.

Confira, abaixo, a relação de presos durante a operação, na Capital:

Prisões penais

Adailton Carvalho da Silva, 30 anos, crime de furto Aldeane Abreu de Sa, 39 anos, crime de furto;

Aldeane Abreu de Sá, 39 anos, crime de furto;

Antônia Mary de Moura Pereira, 41 anos, crime de exploração de menores;

Arnaldo Tiago de Souza, 32 anos, crime de furto;

Edmar Ribeiro Gonçalves, 46 anos, crime de porte ilegal de arma de fogo;

Fagno Gonçalves Fortaleza Negres, 32 anos, crime de homicídio;

Gilson Silva Veras, 37 anos, crime de furto;

Jacson Muriel Rodrigues Lira, 18 anos, prisão preventiva;

Jefferson Paes Landim de Oliveira, 20 anos, crime de roubo;

Jeneonio Pereira Alves, 31 anos, crime de furto;

João Batista de Oliveira, 32 anos, crime de furto;

João Freire Neto, 23 anos, regressão de regime;

Madiano Ferreira Martins, 29 anos, crime de homicídio;

Marcelo Pereira de Castro, 30 anos, crime de roubo;

Rumeningher Alves Brito, 27 anos, crime de homicídio qualificado;

Vinicius Pereira Mota, 21 anos, crime de tráfico de drogas.

Prisões Civis (não pagamento de pensão alimentícia)

Abmael Pinheiro da Conceição, 44 anos;

Francisco Gomes de Araújo, 46 anos;

Helio Augusto Rocha Wanderley, 44 anos;

Xedher Tadeu Baker, 35 anos.

Após as providências legais cabíveis, os presos foram encaminhados à CPP, onde permanecerão à disposição do Poder Judiciário.

Destaque

No final da tarde desta quarta-feira, 24, em Palmas, Rumeningher Alves Brito, 27, acusado de ter atropelado e matado seu desafeto, o músico Wellington José dos Santos, o “Russo”, foi preso na Operação BNMP, pela Polícia Civil em Palmas. O crime aconteceu em março de 2016 na cidade de Leme (SP). Inicialmente, veículos de comunicação nacionais já haviam informado da captura do acusado no dia anterior, após contato com a família de Rumeningher, em São Paulo, mas o auto de prisão só aconteceu no final da tarde desta quarta-feira, no Plano Diretor Norte de Palmas.

De acordo com a delegada Suraia Carvalho Vilela, o acusado se encontrava próximo de um estabelecimento comercial na Capital, onde teria ido buscar sua companheira, ao ser abordado, ele teria apresentado documentação falsa e afirmado trabalhar no ramo da publicidade. “Estávamos há alguns dias em campana na busca do acusado, que possui mandado de prisão expedido pela justiça de São Paulo”, afirmou a delegada. Ainda segundo ela, após o auto de prisão em flagrante pelo uso de documento falso, o acusado foi encaminhado para a Casa de Prisão Provisória de Palmas (CPPP).

BNMP no interior

Segundo o delegado Márcio Girotto Vilela, 13 mandados de prisão foram cumpridos ainda pelas demais delegacias regionais da Polícia Civil no interior do estado.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.