O Ministério Público Estadual, por meio do Centro de Apoio Operacional do Consumidor (Caocon), encaminhou nesta sexta-feira, 04, à 4 ª Promotoria de Justiça de Paraíso do Tocantins, relatório com as atuais condições da prestação de serviço do transporte público municipal na cidade.

A fiscalização foi realizada em parceria com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) e teve como objetivo identificar possíveis irregularidades de lesão aos direitos consumidores em relação ao serviço prestado pela empresa permissionária do serviço de transporte público no município.

Os fiscais verificaram as condições de conservação e manutenção dos veículos e constataram que nem todos os motoristas possuem o curso de Transporte Coletivo de Passageiros, conforme determina o Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Na ocasião, foi constatada a ausência de estudos e metodologia para a definição, composição e recomposição acerca do valor tarifa, definição de rotas, horários e paradas para os ônibus.

Quanto ao cumprimento das normas de acessibilidade, tanto nos veículos como nas paradas, comprovou-se que não há mecanismos que facilitem o acesso às pessoas portadoras de necessidades especiais e mobilidade reduzida.

Diante das irregularidades apresentadas no sistema do transporte público, concluiu-se que falta regulação e fiscalização por parte do município. Vale ressaltar que há um inquérito civil instaurado pelo MPE no ano 2016, que apura as condições do transporte público em Paraíso.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.