UPA – Araguaína

Ao assumir a gestão da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Araguaína Sul, o Instituto Saúde e Cidadania – ISAC identificou alguns pontos que causam dificuldade no fluxo de pacientes e consequente superlotação. Diante disso, a direção da organização social e da unidade já estão implementando mudanças para alcançar resultados de curto prazo em um primeiro momento.

A primeira implementação é sobre os pacientes que necessitam de transferência para o Hospital Regional de Araguaína (HRA). Segundo o gerente de assistência de qualidade, Dr. Vinícius Menezes, ainda há dificuldades para conseguir autorização do hospital devido à falta de leitos, já que a unidade também enfrenta superlotação.

“O tempo máximo de permanência de um paciente na UPA é de 24 horas, mas há muitos casos que estão extrapolando esse prazo, acontecendo até de ter pacientes há 10 dias na unidade”, explica o gerente.

Em função disso, um dos médicos que deveria estar atendendo os pacientes novos acaba ficando até seis horas reavaliando os pacientes “internados”. Por isso, o ISAC está reorganizando o fluxo e distribuição de médicos para que, no período da manhã, tenha um médico específico para reavaliar os pacientes que estão há mais de 24 horas na sala vermelha (emergência).

“Desta forma, os outros quatro médicos plantonistas permanecerão integralmente no atendimento dos demais pacientes”, completa Dr. Vinícius.

Classificação de risco

Hoje, o processo é feito de forma manual, com tempo médio de três a sete minutos por cada atendimento. O ISAC passará a utilizar um equipamento de alta tecnologia para a tarefa que garante agilidade no atendimento, com redução prevista de até 50% no tempo da classificação.

“Com isso, um dos técnicos de Enfermagem que até então estava responsável pelo processo poderá ser deslocado para o setor de assistência”, informa o gerente.

Sala de Medicação

Também foi identificada uma demora de atendimento na sala de medicação devido ao número de técnicos disponíveis, além da distância entre a sala e a farmácia, com necessidade de deslocamento constante da equipe assistencial.

Para sanar essa situação, será colocado um técnico de enfermagem a mais no setor (remanejado da classificação de risco pelo uso do software). Haverá também a implantação da farmácia ao lado da sala de medicação.

Tumulto

Em alguns pontos da unidade, há fluxo o cruzado de pacientes, gerando acúmulo de pessoas, tumulto e dificuldades de comunicação. O ISAC já instalou sinalizações visuais e orientações para redistribuir o fluxo para locais distintos (primeiro atendimento e reavaliação/exames).

“Também vamos coletar os exames laboratoriais na própria sala de medicação, evitando deslocamentos desnecessários e diminuindo o tempo de permanência do paciente na unidade”, complementa o gerente.

Prontuário

Todo o prontuário do paciente é manual, com registro em papel e dependente de pessoas para transitar a informação entre os setores, acarretando em tempo adicional ao atendimento.

O instituto já está em processo de implantação do prontuário eletrônico, com todas as informações sobre o paciente disponível via sistema. O ganho será em eficiência, permitindo mais profissionais disponíveis para os atendimentos.

“Outros problemas e soluções estão sendo levantados para melhorarmos ainda mais a assistência e redução do tempo de atendimento, melhora da qualidade e segurança ao paciente”, finaliza Dr. Vinícius.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.