Creas – Araguaína

A Justiça condenou, nesta sexta-feira, 11, Wendel da Silva Barros e Denilson Castro da Silva a nove anos de prisão, cada, em decorrência de 11 crimes de roubo majorado e facilitação de corrupção de menores. A decisão é do juiz Francisco Vieira Filho, da 1ª Vara Criminal de Araguaína.

De acordo com os autos, em janeiro deste ano os acusados e dois menores infratores invadiram a sede do Centro de Referência Especializada de Assistência Social (CREAS), em Araguaína, e, com a utilização de arma de fogo e facas, renderam os funcionários e assistidos para subtrair os pertences das vítimas, como dinheiro, relógios, carteiras, celulares e cordões de ouro.

Duas servidoras conseguiram se esconder e chamaram a polícia. Os acusados tentaram fugir, mas foram cercados e presos em flagrante. De acordo com algumas vítimas, os réus eram assistidos do CREAS, o que pode ter facilitado o acesso deles à unidade.

“Portanto, ante os relatos íntegros, firmes e unânimes das vítimas e testemunhas, bem como diante das palavras dos próprios acusados, não tenho dúvidas de que eles foram autores do crime de roubo contra 11 vítimas narrado na denúncia, razão pela qual a condenação de ambos revela-se como medida que se impõe”, declarou o juiz na sentença.

Ao dosar a pena, o magistrado considerou os bens furtados, a ação empregada com excesso de violência e a corrupção de dois menores para cometer a ação. Wendel e Denilson foram condenados a nove anos, oito meses e 25 dias de reclusão em regime fechado, cada. Além disso, os réus devem indenizar as vítimas cujos pertences não foram recuperados. (Jéssica Iane)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.