Carlão agradece respaldo de todos da Força Sindical-TO

Presidente da Fesserto (Federação de Sindicatos de Servidores Públicos do Tocantins), Carlos Augusto Melo de Oliveira (Carlão), 51 anos, foi reconduzido, na manhã de sábado, 6 de maio, para mais um mandato de quatro anos à frente da Força Sindical-TO. A recondução se deu por unanimidade e aclamação dos quase 30 sindicatos presentes no 3º Congresso da Força Sindical-TO, realizado no auditório do Hotel 10, em Palmas.

O evento contou com a presença de lideranças nacionais da Força Sindical, como o secretário de Relações Institucionais, Geraldino dos Santos Silva, o diretor Sales José da Silva e a 2ª secretária Valclécia de Jesus Trindade, entre outros.

O presidente reconduzido agradeceu o respaldo de todos, destacou crescimento da entidade nos últimos anos e o esforço feito para que o sindicalismo cresça. “Estamos de braços abertos para a causa do trabalhador”, salientou. Emocionado, Carlão detalhou o trabalho realizado pela Força Sindical-TO para unir o trabalhador e disse que em cada dia no cargo de presidente nunca deixou de aprender. “As coisas boas não acontecem de uma hora para outra. As coisas boas se constroem com o tempo, com respeito, e com trabalho”, frisou.

Além da eleição da nova diretoria-executiva da Força Sindical, o Congresso da entidade serviu para marcar posição e reforçar a estratégia da central contra as propostas de reforma da Previdência e Trabalhista.

Greve Geral

Para Geraldino Silva, o dia 28 de abril, Dia de Greve Geral, foi glorioso para o movimento sindical brasileiro. “O movimento realmente foi nacional. Pesou muito no governo. Um país que não respeita o movimento sindical e não respeita a imprensa, não tem democracia”, ponderou.

Ele ressaltou ainda o dado surpreendente e positivo de pesquisa Datafolha a respeito do Imposto Sindical. Conforme o levantamento, 46% dos brasileiros são a favor da manutenção do imposto, enquanto 44% são contrários. Em um cenário de constante massacre e ataques contra os sindicatos, os números são muito positivos. “A gente esperava um apoio massivo da população contra a obrigatoriedade do imposto sindical, mas não foi isso que ocorreu”, frisou.

Descontado dos trabalhadores uma vez por ano e equivalente a apenas um dia de trabalho, o Imposto Sindical é fundamental para que os sindicatos se estruturem e, assim, consigam defender os direitos dos trabalhadores. A proposta de Reforma Trabalhista aprovada na Câmara dos Deputados acaba com essa obrigatoriedade.

“A Reforma Trabalhista atingiu o trabalhador. Precarização total. Paga apenas horas trabalhadas, trabalhador não recebe descanso semanal, não recebe feriados. Terceirização é para precarização ainda mais o movimento sindical, mão de obra, salário e trabalho”, salientou.

União

Por sua vez, Sales afirmou que nunca foi tão necessário o movimento sindical estar unido. “Independente da cor da camisa, preferência partidária, nunca se fez necessário que cada presidente de sindicato ir acampar em Brasília. Aquele que não for é inimigo da classe trabalhadora”, frisou o secretário de Finanças da Força Sindical Nacional, ao destacar que a gestão do presidente Michel Temer é de um governo comprometido com o capital econômico.

Sales pediu mobilização de todos junto aos deputados federais e aos senadores de cada Estado. “Precisamos de mais força no Congresso Nacional. Cada Estado no Brasil precisa fechar essa ponte. Unidade, nem que seja a força. Hora de saber quem está com a gente e quem está contra a gente”, ressaltou.

Previdência

A proposta da Reforma da Previdência também foi muito criticada por todos os sindicalistas presentes. Para Carlão, é absurdo o governo propor uma reforma que não cobra nada dos maiores devedores. Geraldino Silva lembrou que o fato do Setor do Agronegócio, importante para a balança comercial, estar isento de qualquer contribuição para a Previdência é um contrassenso absurdo também.

No fim, todos reforçaram a necessidade de união geral para combater essas duas propostas de reforma.

Confira, abaixo, a nova diretoria da Força Sindical-TO:

residente – Carlos Augusto Melo de Oliveira – Fesserto (Federação dos Sindicatos de Servidores Públicos do Estado do Tocantins)

Vice-presidente – Adolfo Utan – Senalba (Sindicato dos Empregados em Entidades Culturais, Recreativas, de Assistência Social, de Orientação e Formação Profissional do Estado do Estado do Tocantins)

2º vice-presidente – Davi da Silva Carvalho – STICPAET (Sindicato dos Trabalhadores da Construção Pesada e afins do Estado do Tocantins)

3º vice-presidente – José Raimundo – Sindicato da Construção Civil

4º vice-presidente – Carlos Antônio Araújo – Simtromet (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transportes Rodoviários e Operadores de Máquinas do Estado do Tocantins)

Secretário-geral – Carlos Magno – Sindicato dos Empregados no Comércio de Porto Nacional

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.