Em sua rotina de visita a unidades de saúde da capital e interior, o candidato à presidência do Simed (Sindicato dos Médicos no Estado do Tocantins) Hugo Magalhães, 34, tem recebido cada vez mais manifestações de apoio e adesão para a campanha.

O clínico geral, que encabeça a chapa 2 de oposição “Responsabilidade Classista” comentou que as maiores queixas que ouve se referem à falta de representatividade por parte da gestão atual do Simed, que não participam das decisões e encaminhamentos por parte do sindicato na busca pelos direitos da classe.

“Independentemente da eleição, não é de hoje que nós estamos sempre juntos com os colegas brigando por nossos direitos e condições melhores de trabalho. Sabemos que a situação, principalmente, no interior é de desamparo. Esse foi um dos motivos que o nosso grupo optou por disputar a eleição e com um lema: Nenhum direito a menos”, afirmou.

Hugo afirma que tem sentido que, ao visitar as unidades e após apresentar suas propostas, houve sempre dos colegas a necessidade de mudanças. “Hoje desamparados nos hospitais, médicos terão apoio, vez e voz conosco. Nosso grupo vai mudar isso”, garante o candidato.

NO HGP

Em recente visita ao Hospital Geral de Palmas (HGP) e ao Regional de Paraíso, Hugo ouviu relatos de problemas e de ausência do sindicato para atender aos médicos nas suas reivindicações.

Na oportunidade, médicos declararam apoio à chapa, externando admiração e respeito por considerarem que Hugo vive a rotina e a realidade do dia a dia dos hospitais públicos. Entre eles médicos que atuam há muitos anos no hospital, contratados e residentes. Magalhães conhece bem a realidade do HGP. Começou em 2011 no pronto-socorro e hoje atua como coordenador da clínica médica.

Também conhecido por sua constante luta por melhores condições de trabalho da classe médica, sempre denunciando e reclamando junto ao poder público, Magalhães destaca seu objetivo de concorrer à presidência do Sindicato e reforma a vontade da classe que clama por representatividade.

EM PARAÍSO DO TOCANTINS

Já em Paraíso do Tocantins, Hugo Magalhães se reuniu com médicos do Hospital Regional. Novamente ouviu queixas por falta de representatividade e apresentou propostas. Entre outras iniciativas, afirmou que, eleito, vai criar plantão jurídico permanente, executará ações para valorização da imagem do profissional médico e fazer a integração e interação entre os médicos da capital e do interior.

“Nós do interior ficamos à margem até mesmo de questões mínimas. O que queremos do sindicato é que nos dêem mais atenção, que tenhamos melhor representação”, disse Luiz Antônio Faria Mota, diretor clínico da unidade. “Defendo mandato sem reeleição para oxigenar a gestão”, complementou.

Com 42 anos de profissão, José Epaminondas de Souza cobrou a contratação de mais profissionais para o Regional e citou que, recentemente, foi obrigado a contratar advogado para defendê-lo junto ao Conselho Regional de Medicina. “Tem que mudar. Sindicato foi feito para ficar ao lado do filiado. Depois que terminar a eleição, todos estarão juntos de novo”, afirmou outro médico, Marcelo Mota.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.