IMG-20150514-WA0010A diretoria do Sintras participa nesta quinta-feira, 14, em Brasília, da  discussão  sobre  a  ampliação da terceirização no trabalho, que vem se expandindo desde os anos 70.

Essa discussão foi gerada em virtude da aprovação na Câmara Federal do projeto de Lei nº 4.330, no dia 8 de abril de 2015, que é de autoria do deputado e presidente da Câmara Federal, Eduardo Cunha.

Após tramitação na Câmara, o projeto será apreciado no senado, e, se aprovado sem alterações, seguirá para a sanção presidencial.

O que os dirigentes das federações, confederações e sindicatos estão alavancando é a falta de compromisso da maioria dos deputados com as reivindicações dos trabalhadores, e a submissão aos ditames da classe patronal.

Participando da discussão, o presidente do Sintras, Manoel Pereira de Miranda, diz que é contra a terceirização. “Esse projeto se vier ser sancionado pela presidente, só irá trazer prejuízos a categoria, porque retira direitos dos trabalhadores e a responsabilidade do verdadeiro empregador”, reforça Miranda.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.