Delegado Cassiano Oyama

Os três policiais civis envolvidos na abordagem que terminou com a morte do sargento da PM José Maria Rodrigues foram afastados das funções. A equipe era chefiada pelo delegado Cassiano Oyama, da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa, e composta por dois agentes da mesma delegacia. A corregedoria da Polícia Civil informou que os três tiros que atingiram o militar foram disparados de um fuzil e um revólver ponto 40. Um dos disparos partiu da arma do delegado.

Conforme o corregedor da Polícia Civil, Fábio Augusto Simon, as armas utilizadas na ação foram recolhidas. “Eles somente desembarcaram da viatura porque o rapaz sacou a arma, expôs uma arma. Eles estavam em uma situação que não visualizavam que era um policial e notaram que ele estava visivelmente embriagado, com dificuldade inclusive de fala”, afirmou.

O sargento foi atingido no braço, no joelho e no abdômen. Ele chegou a ser socorrido, passou por cirurgia no Hospital Geral de Palmas, mas não resistiu e morreu na manhã desta sexta-feira, 27.

A Polícia Militar afirmou que o sargento não efetuou qualquer disparo contra a equipe da polícia civil. Disse ainda que instaurou procedimentos para esclarecer e apurar o caso e designou o corregedor-geral para acompanhar as investigações.

“Nós acreditamos que a Polícia Civil vai tomar todas as providências cabíveis, legais, pertinentes e avaliar a abordagem e o escalonamento do uso da força. Contudo, a corregedoria deixou bem claro que tem um procedimento em andamento, instaurado no sentido de apurar a conduta dos agentes da força de segurança da Polícia Civil”, disse o corregedor-geral da PM, coronel Henrique Junior. (G1)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.