A Polícia Federal fechou uma clínica de reabilitação de dependentes químicos em Araguaína na manhã desta segunda-feira, 10, após denúncias de funcionamento irregular e suspeita de maus tratos contra internos. O Centro Terapêutico Revigore, alvo da ação da PF que contou com apoio da Polícia Militar, deteve ainda cinco pessoas, sendo uma delas a proprietária do local.

Conforme a dona de casa Rosa Souza, que tem um irmão internado no local, o Centro Terapêutico Revigore cobra mensalmente mais de R$ 1 mil e que estranhou o fato de não poderem ter um momento com os pacientes, sem acompanhamento. “Questionei essa história de não podermos ficar a sós com ele. Não senti segurança”, disse.

Em entrevista para a TV Anhanguera, internos relataram a violência sofrida no local. “Me bateram na cara e amarravam na cama”, conta um. Outro interno que estava há seis meses no local disse ainda ter sido espancado enquanto outros o seguravam. “Já apanhei demais. Uns seguravam atrás e três batiam na frente. Em cima do estômago e no rosto”.

Outra denúncia constatada pela Polícia Federal ao chegar no local foi o cárcere privado que os internos eram submetidos.

Onze recuperandos foram resgatados e levados à Delegacia da Polícia Federal para depoimentos, bem como as cinco pessoas detidas.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.