A Prefeitura de Araguaína, por meio da Secretaria da Saúde, com o reforço de militares do Exército Brasileiro, intensificará o combate do mosquito Aedes aegypti em Araguaína. Agentes de combate às endemias, que somente em 2015, já eliminaram 42.375 focos positivos do mosquito no Munícipio, continuam a campo, agora com a força-tarefa de aproximadamente 140 militares dos batalhões Infantaria 50-Biz de Imperatriz (MA) e 23ª Brigada de Infantaria de Selva, de Marabá (PA).

A ação acontecerá em áreas prioritárias do Município entre os dias 14 e 15 de abril. O Aedes é transmissor de doenças como febre amarela, dengue, febre chikungunya e vírus Zika.

A concentração de agentes e militares será na próxima quinta-feira,14, no Ginásio do Bairro São João, a partir das 8 horas. Em seguida as equipes devem percorrer os quarteirões mais críticos do Município.

“Vamos visitar os setores onde foram registrados mais números de casos e as residências onde tivemos recusa de moradores, impedindo que agentes realizassem a fiscalização”, explicou o superintendente municipal de Vigilância em Saúde, Eduardo de Freitas.

Tendas também serão montadas na Praça das Bandeiras. Agentes e militares devem distribuir panfletos no local, com dicas e cuidados para a população não contrair doenças. Além disso, militares devem realizar uma exposição.

Educação em Saúde
Além da ação de limpeza retirando utensílios que podem acumular água, para evitar focos, os militares juntamente com as equipes de educação em saúde do Município irão realizar palestras em escolas da rede municipal e estadual, com apresentação de temas sobre doenças de forma dinâmica.

“Esse é um dos principais objetivos da parceria com o Exército: conscientizar a população da importância de manter quintais limpos para ficarmos livre do mosquito”, disse o secretário municipal da Saúde, Jean Coutinho.

Dados sobre focos
Com dados do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) em 2015, 72% dos focos de infestação do Aedes Aegypti foram encontrados em residências. Já no início de 2016, esse percentual subiu para 80%. Com o trabalho intenso de combate e com a força-tarefa de militares, o Município visa reduzir esse número.

“Precisamos da colaboração da população, que precisa ficar atenta aos cuidados com os quintais”, pontuou o secretário.

Os terrenos baldios correspondem a 17% dos focos; e o comércio tem 7%; os pontos estratégicos, que são borracharias, cemitério, rodoviárias, têm 2% dos focos de infestação; e outros imóveis, como praças, escolas e igrejas, também têm 2%.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.