Quatro anos se passaram desde que a máquina de radioterapia quebrou em Araguaína. O equipamento era usado no atendimento a pacientes com câncer. No ano seguinte, o Estado substituiu o aparelho, mas até hoje ele não foi instalado. Enquanto isso, os moradores da cidade continuam viajando por quilômetros até chegar no Maranhão para continuar com o tratamento.

Em 2015, o pedreiro José Germano da Silva foi diagnosticado com câncer de próstata e demorou um ano para conseguir o tratamento. “Quando eu saí daqui em julho, eles estavam construindo a sala para colocar a máquina para em janeiro estar montada. Já estamos em março, três meses a mais, nunca montou a máquina”.

O pedreiro é um dos pacientes que estão fazendo o tratamento em Imperatriz (MA). No ano passado, 128 pessoas foram levadas para o outro estado. Neste ano, já são 15.

O problema é antigo. Em 2014, a máquina de radioterapia apresentou defeitos. Em 2015, o governo do estado terceirizou os serviços e contratou sem licitação uma empresa para substituir o equipamento. Mas era necessário reformar uma sala para receber a máquina. O problema é que a obra ainda não foi concluída.

O primeiro prazo dado pelo Estado para conclusão da obra foi 2016. Depois, o prazo foi estendido para janeiro deste ano.

A Secretaria Estadual da Saúde informou que foram feitos ajustes que ainda precisam ser aprovados pela Comissão Nacional de Energia Nuclear para retomar os atendimentos na cidade. (G1)

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.