Presidente do Sinpol, Moisemar Marinho. também participa da manifestação solidária
Presidente do Sinpol, Moisemar Marinho. também participa da manifestação solidária

Policiais civis de Palmas em greve iniciaram o dia de paralisação com um mutirão solidário. Eles se reuniram na manhã desta quinta-feira,12, no Hemocentro da Secretaria de Estado da Saúde para doação de sangue e testes de doadores de medula. Dezenas de policiais participaram do ato, que também vem ocorrendo em cidades do interior do Estado.

Para o presidente do Sinpol-TO (Sindicato dos Policiais Civis do Tocantins), Moisemar Marinho, a iniciativa é uma forma de, no momento de reivindicação, unir ainda mais a categoria em benefício da sociedade. “É mais um ato que realizamos, solidário e que visa unir ainda mais a categoria, sensibilizando e colaborando com a população das mais diferentes formas.”

Durante a mobilização o comando de greve recebeu manifestção oficial de apoio ao movimento de greve da Câmara de Vereadores de Lagoa do Tocantins. O ofício, de número 002/2015, foi entregue pelo presidente do Legislativo da cidade, Petion Corado, a Moisemar e demais membros da categoria.

Assinado por todos os nove vereadores da Casa, eles dizem apoiar “todas as reivindicações adquiridas por direito líquido e certo garantido por lei estadual e revogada arbitrariamente por decreto do Executivo, desrespeitando, além das categorias de profissionais os parlamentares que votaram na valorização destes servidores que dão a vida em prol da comunidade tocantinense”.

Para Moisemar Marinho, a iniciativa da Câmara de Lagoa do Tocantins reforça o sentimento, segundo o qual, a categoria busca exclusivamente o direito adquirido. “Esse apoio, como muitos outros que estamos recebendo, é um reforço muito importante para o nosso movimento. No documento está explícito e com toda a clareza e razão: nosso direito é líquido e certo e foi retirado por meio de decreto”, declarou.

O Portal Norte do Tocantins questionou a categoria sobre ilegalidade a greve, “Queremos que o governo cumpra a lei. Quem está ilegal no Tocantins é o governador e não a polícia”, afirmaram os policiais ali presentes.

A greve

Os policiais entraram em greve após aguardar, e não receber, uma proposta sequer da administração estadual para o cumprimento da lei 2.851/2014, que teve seus efeitos suspensos por decreto do governador Marcelo Miranda. A lei regulamenta conquista histórica dos policiais civis, com o alinhamento da carreira de cerca de 1,3 profissionais. O alinhamento foi promovido pelo próprio governador Marcelo Miranda em 2007, na sua penúltima gestão. Porém, só foi regulamentação da conquista se arrastou por todos os governos seguintes e só veio a ocorrer em abril do ano passado, para ter efeitos financeiros parcelados em quatro vezes a partir de 2015. A parcela de 2015 do alinhamento corresponde a apenas 1% da folha de pagamento do Estado.”

CAM00188

IMG-20150312-WA0003

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.