Maconha que estava carregada no caminhão
Maconha que estava carregada no caminhão

A Polícia Civil do Tocantins apreendeu, nesta segunda-feira, 2 de março, cerca 200 quilos de maconha prensada na cidade de Colinas em um caminhão da empresa Só Gelo, com carreta da Bertolini. A apreensão ocorreu próximo ao pardal da BR-153.

O monitoramento do transporte e da aquisição da droga estava sendo realizado pelo setor de inteligência da Polícia Civil há cerca de um mês. O trabalho de inteligência e a fiscalização desses agentes foram mantidos pela polícia, apesar da greve da categoria iniciada na quarta-feira, 25 de fevereiro. “Estamos fazendo uma greve responsável e jamais íamos deixar de cumprir os 30% de serviços essenciais. Mostramos com essa grande apreensão que somos uma polícia imprescindível para a população”, destacou o presidente do Sinpol (Sindicato dos Policiais Civis do Tocantins), Moisemar Marinho.

A droga estava em sete caixas de papelão, que foram localizadas abaixo da cama do motorista. O motorista do caminhão, Marcelo da Silva Pinheiro, 32 anos, é natural de Tocantinópolis, mas mora em Fortaleza do Tabocão. Ele foi preso.

As placas da carreta são placas ONK–5033, de Itumbiera-GO, e, do caminhão, NGK-1483, de Aparecida de Goiânia.

Greve

A greve da Polícia Civil é um movimento para protestar contra decreto do governador Marcelo Miranda que suspendeu os efeitos financeiros da lei 2.851/2014. Resultado de mais oito anos de negociação e luta da categoria junto ao governo do Estado, a lei faz o alinhamento das carreiras dos policiais civis de nível médio aos de nível superior, deixando apenas um nível na corporação.

Levantamento feito pelo Sinpol mostra que o impacto financeiro para o cumprimento da lei em 2015 não é grande e representa apenas 1 % da folha de pagamento do Executivo Estadual. A lei beneficia cerca de 1,3 mil policiais civis de todo o Tocantins.

 

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.