andre lima e equipe do hgp
andre lima e equipe do hgp

O Programa Melhor em Casa, do Ministério da Saúde, está sendo executado no Tocantins pelo Hospital Geral de Palmas (HGP) e atende a pessoas com necessidade de reabilitação motora, idosos, pacientes crônicos sem agravamento ou em situação pós-cirúrgica. A assistência é feita por equipe de multiprofissionais, sendo desempenhado no lar do paciente e de forma gratuita.

A equipe multidisciplinar é formada, prioritariamente, por médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e fisioterapeutas. Outros profissionais, como fonoaudiólogo, nutricionista, odontólogo, psicólogo e farmacêutico podem compor as equipes de apoio. O programa visa melhorar e ampliar a assistência do Sistema Único de Saúde (SUS) aos pacientes com agravos de saúde, que possam receber atendimento humanizado, em casa, e perto da família. O programa também tem o objetivo de reduzir as filas nos hospitais de emergência.

O araguatinense e Fisioterapeuta, André da Gama Lima destacou que “O melhor em Casa” iniciou em julho do ano passado e que alguns dos objetivos principais são a reabilitação do paciente em casa de forma gradual através de alongamento, mobilização e facilitação neuromuscular. “Os atendimentos são diários e vale contar a quantidade de atendimento individualizado de cada paciente”, finalizou o fisioterapeuta.

Samuel Pereira, coordenador do programa explica que atualmente o programa tem 20 vagas e que em breve serão abertas mais 20. Desde que foi implantado, 86 pacientes foram atendidos, deixando de ocupar leitos no hospital.

Já a assistente social, Lais Delgado, fala sobre alguns dos critérios para o paciente ser atendido pelo programa. “O paciente tem que estar internado no HGP, ou seja, não pode ser um paciente externo. Com isso, o médico o encaminha para o assistente social, que vai verificar se o paciente tem um cuidador (pessoa responsável por cuidar do paciente) e ele, mesmo sendo de outra cidade, deve ter uma moradia em Palmas”, explica. Lais destaca que o paciente deve necessitar de atendimento de, no mínimo, duas especialidades, como por exemplo, nutrição e fisioterapia, para fazer parte do programa.

Beneficiados

José Alfredo Lima, 64 anos, sofreu um acidente de motocicleta, em junho de 2014, que lesionou sua medula e, após internação no HGP, recebe acompanhamento desde 23 de julho de 2014 da equipe do Melhor em Casa. “Eu considero esse povo [profissionais de saúde do programa] como família. Desde que eu recebi alta do hospital e eles passaram a vir me visitar em casa, o atendimento nunca mudou, eles sempre chegam alegres e são atenciosos”, destaca.

A esposa de José Alfredo, Neli de Castro, conta que a visita da equipe do programa é feita todos os dias da semana, de segunda a domingo. “Esse programa é uma benção de Deus. Se não tivesse ele, seria muito difícil, tanto a questão de locomoção e como financeira”, ressalta.

Para a enfermeira do programa, Sabrina Moreira, o trabalho desempenhado é muito recompensador. “O serviço no programa Melhor em Casa é muito gratificante, pois ao chegar à casa do paciente nós percebemos o carinho, a felicidade e a satisfação que eles têm em nos receber”, destaca.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.