Assembleia Legislativa

Três pessoas foram indiciadas por corrupção devido a um esquema de funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa. As informações são da Polícia Civil. As investigações começaram no ano passado pelo Ministério Público Estadual e foram concluídas pela Delegacia de Combate a Corrupção, durante a 1ª fase da operação Espectro. Eles teriam causado um prejuízo de R$ 173 mil aos cofres públicos.

Foram indiciados: o advogado e ex-diretor Geral da Assembleia Legislativa, Antonio Ianowich, o ex-Diretor de Modernização Tecnológica Danilo Parente e o coordenador de Almoxarifado e Estoque, Flávio Negreiros Alves. O esquema seria para desviar dinheiro da Casa.

A Polícia Civil disse que os detalhes do esquema foram descobertos após a apreensão do celular de Danilo. Os investigadores tiveram acesso à conversa dele e dois demais suspeitos.

No inquérito, a polícia informa que pediu a prisão preventiva e temporária, busca e apreensão, suspensão de função pública, bloqueio de bens e condução coercitiva – quando os investigados são levados para depor – mas todos os pedidos foram negados pela Justiça.

No relatório, consta os depoimentos dos investigados, que negaram as acusações. Danilo Parente disse que não vai se manifestar sobre o caso. Já Ianowich informou que nesse período prestou de forma regular os serviços na Assembleia. Ele disse que foi intimado na semana passada, que prestou depoimento sobre o assunto e continua à disposição da polícia para prestar qualquer tipo de informação. (G1)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.