Contratos investigados durante operação foram assinados em período eleitoral, diz delegado

Desde a manhã desta segunda-feira, 26, quando a polícia deflagrou em Palmas a Operação batizada com o nome de ‘Jogo Limpo’, que as redes sociais estão em polvorosa.  O assunto está entre os mais comentados nesta segunda.

As primeiras horas da manhã de hoje durante a operação resultou na prisão de 22 pessoas suspeitas pela prática do crime de lavagem de dinheiro.

A polícia, durante uma coletiva, detalhou como funcionava o esquema que teria causado um prejuízo estimado em mais de R$ 3 milhões de reais a Fundação de Lazer e Esportes de Palmas (Fundesportes).

Conforme o delegado, a Fundação de Lazer e Esporte de Palmas repassava, por meio de chamamento público, subvenções sociais, que é a verba destinada a essas políticas públicas, a federações e associações esportivas do estado, mas o dinheiro era, em sua grande maioria, desviado e acabava chegando a empresas fantasmas, quem nem sede possuíam.

“As federações e associações recebiam o dinheiro com a finalidade de prestar serviços específicos ou adquirir bens e materiais esportivos, conforme detalhavam em seus projetos. Contudo, tais ações não eram realizadas, o que caracterizava o crime de lavagem de dinheiro”, ressaltou o delegado.

O delegado afirmou também que as investigações foram iniciadas há seis meses, a pedido do Ministério Público Estadual. Dos cerca de 40 contratos firmados, por meio de chamamento público, 10 estão sob investigações.

Guilherme Rocha enfatizou ainda que, durante as investigações, causou estranheza a velocidade com que os contratos eram aprovados, uma vez que, quando obedecidos os trâmites normais, o procedimento leva em torno de 90 dias, no entanto, em certos casos, a Fundação levou de três a quatro dias para liberar o dinheiro às federações e associações.

O delegado também citou o exemplo de uma associação de artes marciais que teria recebido cerca de R$ 300 mil reais em recursos da Fundesportes e fez à simulação de pagamento a outra empresa, sendo que, supostamente esta empresa teria recebido 200 quimonos e centenas de luvas de boxe. No entanto, segundo o delegado, nem uma pessoa em Palmas, recebeu nenhum dos itens mencionados.

Durante a operação “Jogo Limpo”, mais de 100 policiais civis da DRACMA, bem como de várias delegacias da Capital e do interior do Estado, cumpriram 22 mandados de prisão temporária e 33 de mandados de busca e apreensão em Palmas, Paranã, Miracema, Paraíso do Tocantins e Nova Rosalândia, os quais resultaram nas prisões de:

Aryane Gomes Leitão

Juarez Barbosa de Sousa Junior

Luciano Godoy de Oliveira

Simone Mudesto da Silva Maciel Vilanova

James Paulo Maciel Vilanova

Cleonice Mudesto da Silva

Norma Silvia Matheus Sparvoli

Jades Alberto Avelio

Rodinely de Ousza Oliveira

Rafael Fortaleza Matos Aires do Nascimento

Denir Maurício Rodrigues da Siqueira

Vagno Cerqueira

Ricardo Antônio Pereira da Costa

Núbia da Silveira Prado

Luiz Carlos Crispoim da Silva

Jucilene Teixeira Bonfim

Gracinei Mota;

Charllyngton Fábio da Silva

Abgail da Silva Costa Serpa Freitas

Daniel Henrique Costa Batista

Desudete da Silva Melo e

João Paulo Rodrigues Souza.

Além desses presos, mais duas pessoas ainda se encontram foragidas e podem ser capturadas, a qualquer momento, visto que a operação Jogo Limpo ainda se encontra em andamento. A operação Jogo Limpo também contou com a participação do Grupo de Operações Táticas Especiais (Grupamento de elite da Polícia Civil).

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.