Em caráter preventivo, a Polícia Militar dá dicas sobre a utilização de ferramentas que facilitam a localização e/ou bloqueio de aparelhos roubados/furtados, perdidos ou extraviados. Com o rastreamento os policiais militares conseguem localizar o aparelho roubado/furtado e com o bloqueio o proprietário inutiliza o celular, que não poderá ser usado por um usuário, que não possua os códigos corretos para acessar e desbloquear o aparelho.

O bloqueio do aparelho celular pode ser feito por meio da Central de Atendimento da Operadora de celular (Oi, Tim, Claro, Vivo etc), com essa ação o aparelho será inutilizado, pois não funcionará mesmo que haja a troca de chip, inclusive para outra operadora. Já a instalação de aplicativos, que podem ser baixados gratuitamente, permite que o dono do celular ou alguém, que tenha acesso às senhas previamente cadastradas no aplicativo, rastreie o aparelho ou mesmo bloqueie.

Cabe ressaltar que para que o proprietário do celular possa fazer uso dessas ferramentas é necessário que saiba o número do IMEI do aparelho. O IMEI é uma sigla em inglês que significa Identificação Internacional de Equipamento Móvel, que é um código único.   O IMEI está visível na nota fiscal da compra do aparelho; na etiqueta colada no aparelho, que é avistada ao retirar-se a bateria; ou ainda para determinados aparelhos celulares na tela do telefone ao digitar o código *#06#. Para os smartphones o IMEI pode ser localizado via internet por meio do e-mail cadastrado no Google Play.

Com o código de IMEI, em mãos, o proprietário que teve seu aparelho celular roubado/furtado, perdido e/ou extraviado, possibilita que a Polícia Militar tenha mais agilidade para bloquear o aparelho celular e com o uso de aplicativos rastreá-lo, facilitando assim sua localização e impedindo o uso por usuários indevidos.

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.