Bruno Henrique Batista Valcácer, aluno notal mil no Enem 2016 (Foto: Ellyo Teixeira/G1)

Aos 17 anos, o piauiense Bruno Henrique Batista Valcácer é um dos 77 candidatos que tiraram nota mil na redação do Enem 2016. Essa foi a segunda vez que ele fez a prova, sendo que na primeira conseguiu aprovação para engenharia civil, direito e odontologia, mas preferiu não cursar e se preparar para conseguir uma vaga no curso de medicina. Segundo o aluno, as suas maiores dificuldades eram a leitura e a escrita, mas buscou durante todo o ano estratégias para superar os obstáculos.

“Sempre tive muita dificuldade com a leitura, concentração e escrita, mas procurei várias estratégias de estudo. Passei a fazer muitas escrituras e reescrituras, sempre tento respeito às dificuldades que a redação impõe, o que normalmente muitas pessoas desprezam. Além disso, tenho que deixar claro que o mais importante de tudo é o apoio familiar, pois foram nas dificuldades que ela me deu o maior conforto para superar todos os problemas”, disse.

Ansioso em saber a pontuação que tinha conseguido, a primeira coisa que fez foi pegar o celular e acessar a internet na quarta-feira (18).

“Assim que acordei peguei meu celular, que estava mais próximo, e já fui logo acessando. Meus pais iam chegando e os chamei para olharmos juntos. Fiquei bem surpreso quando vi o quanto consegui. Ali pude perceber que existem várias formas de superação e eu encontrei pelo menos uma delas, já que tinha dificuldades em parar para fazer uma leitura ou escrita”, contou.

Estratégias
Para aumentar as chances de ter um bom desempenho no Enem, Bruno se matriculou em um curso de redação. “Eu estudava em um curso de pré-vestibular e em um cursinho de redação. Quando estava em um dia legal, chegava a estudar nesses lugares e quando voltava para casa, continuava a estudar e a exercitar a redação, chegando a sete horas por dia. Procurei adquirir a maior quantidade de conhecimento possível. Depois do almoço eu começava a estudar sem estabelecer horário fixo, dependia muito de como eu estava naquele dia”, relatou.

Bruno Valcácer destacou também o acompanhamento dos pais. “Desde criança que meus pais me acompanham. Eles procuravam saber como eu estava na escola, participavam de reunião, me davam dicas e isso me influenciou muito”, afirmou.

Orgulhosos e felizes com o feito do filho, os pais Flávio Valcácer e Wanderly Batista falaram do apoio que sempre deram ao filho. “Nós procuramos sempre fazer o melhor, nunca fomos de impor, sempre o deixamos bem livre nos estudos, mas com certo acompanhamento para que os objetivos dele dessem certo. É importante que a família procure saber dos estudos, buscando apoiar nas opiniões e sempre ao lado”, disse a mãe.

Já o pai para incentivar o filho e também adquirir conhecimento fez o exame junto com Bruno. “Fiz minha inscrição e fiz o Enem, mas por uma forma de incentivo e até mesmo de buscar mais conhecimento”, relatou o pai.

Dica de estudo
O estudante nota mil deu dica para quem pretende na próxima edição obter um resultado igual ao dele. “As pessoas têm uma mania de decorar tema ou texto, mas no Enem não tem como prever isso. O estudante tem como saber se o tema fala do social, científico ou algo do tipo, mas a dica é buscar alternativa como eu fiz. Sabia que tinha dificuldade na escrita e leitura, fui lá e me aperfeiçoei”, declarou. (G1)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.