Luciano de Castro

A prevenção é a maneira principal de evitar a malária, segundo o médico Luciano de Castro. Em entrevista na manhã desta quarta-feira 18, ele disse que o ideal é manter as cidades limpas e tentar eliminar o mosquito-prego, vetor principal da doença. Um surto de malária foi registrado em Araguatins, norte do estado. Nove casos foram identificados nos primeiros 16 dias deste ano.

“A prevenção acontece através da limpeza das cidades, tentar eliminar o mosquito, as medidas profiláticas e preventivas que as prefeituras devem fazer, a promoção de saúde, a identificação, notificação da população para identificar rapidamente os casos porque muitas vezes a malária é muito parecida com a dengue e a febre amarela”, recomendou.

Os sintomas, segundo Castro, são febre, sudorese, fraqueza, dor no corpo e dor de cabeça. Ele disse ainda que pessoas que viajaram para zonas endêmicas, como Amazonas, Roraima, Acre, Pará e que voltaram nos últimos oito a 30 dias, devem ficar atentos e se notarem o aparecimento de sintomas, devem procurar um posto de saúde.

O médico explica que a malária não tem vacina e é uma doença muito frequente. “Se estima que em torno de 219 milhões de pessoas, por ano, sofram de malária. Mas tratada ela tem cura, tem que correr, investigar, fazer um diagnóstico adequado e preciso para bloquear a doença”. (G1)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.