CGU apura caso de Araguaína e outros indícios de irregularidades no benefício
CGU apura caso de Araguaína e outros indícios de irregularidades no benefício

A concessão de uma propriedade rural para um empresário de Araguaína foi citada na reportagem do programa “Fantástico”, da Rede Globo, que abordou indícios de fraudes na liberação de terras para reforma agrária no Brasil. A reportagem denominada “O Golpe da Reforma Agrária” foi exibida na noite desse domingo, 3.

Conforme a apuração da Rede Globo, o benefício obtido pelo empresário de Araguaína Vágner Carlos Santana Milhomem é irregular. Motivo: ele não se enquadrava nos requisitos para obter a terra por meio do programa de reforma agrária do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária).

Só pode obter o benefício quem é trabalhador rural que não tenha sítio ou chácará. A renda familiar não pode passar de três salários mínimos. E mais: marido e mulher dos beneficiados não podem ser funcionários públicos ou donos de empresas.

Milhomem, que foi assassinado em 2012, era dono de uma loja de auto peças em Araguaína. Conforme a reportagem, após a morte do empresário, a propriedade foi passada para a viúva.

A Controladoria-Geral da União (CGU) promete apura este e outros casos exibidos na reportagem. A CGU indica que há 76 mil lotes com indícios de fraude. Esse número representa 8% do total de terras distribuídas pelo Incra nos últimos 20 anos.

O EMPRESÁRIO 

Vágner Carlos Santana Milhomem foi morto, aos 44 anos, em dezembro de 2012, em Araguaína. O crime teve repercussão em todo o Estado. De acordo com informações da polícia, ele foi surpreendido por um homem quando caminhava na avenida Santos Dumont, uma das mais movimentadas da cidade.

O assassino se aproximou do empresário e disparou quatro vezes – as balas atingiram a cabeça de Milhomem. Antônio Rosa, de 34 anos, irmão do vice-prefeito de Araguaína, Fraudsneis Rosa, chegou a ser preso por suspeita de participação no crime.(NorteAgro/TO)

Compartilhar

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: jornalismo@nortedotocantins.com.br que iremos analisar.